Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pensar o futuro da Região de Aveiro

2014-2020


Quinta-feira, 18.04.13

Futuroscópio de Aveiro

[divulgação da organização 'be IN' Aveiro - AIP & AIDA]


conclusões do Futuroscópio da Aveiro? Concorda? O que tem dizer?
http://lnkd.in/R2HWen

Convidamo-lo a vir ao Futuroscópio Nacional onde serão postas em destaque as semelhanças e assimetrias entre as várias regiões por onde passou o be IN (https://www.facebook.com/events/594036283955394/)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por JCM às 16:34

Quinta-feira, 18.04.13

AVEIRO URBANIZING TECHNOLOGY


contributo de reflexão para pensar o futuro de Aveiro

AVEIRO URBANIZING TECHNOLOGY
http://amigosdavenida.blogs.sapo.pt/861079.html
José Carlos Mota

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por JCM às 16:32

Sexta-feira, 12.04.13

Sintese do evento be IN AVEIRO: Crescimento e o reforço da competitividade na Região de Aveiro

 

Síntese produzida por Ana Neves

https://www.facebook.com/beInParticiparParaCrescer

 

A sessão "be INvolved" está aqui em Aveiro a cargo de José Carlos Mota, da Universidade de Aveiro, e que aqui irá recorrer à sua experiência de investigador e cidadão para refletir sobre o presente e o passado da região de Aveiro.

 

José Carlos Mota propõe-se refletir sobre 5 pontos.
O 1º é a CRISE.
Gastámos de mais, e gastámos mal. Gastámos enquanto Estado, mas igualmente enquanto cidadãos. Mas a crise é tanto económica como de ideias.
A crise ainda não está para acabar: é tempo de assumirmos a responsabilidade pela situação em que nos encontramos mas, acima de tudo, a responsabilidade de fazer algo para mudar o rumo da situação.

O 2º ponto é a proposta das cidades como capazes de produzir as respostas necessárias ao cenário em que nos encontramos.
O Estado deve, formalmente, perceber este potencial e apoiar iniciativas de animação de iniciativas locais, a nível das cidades.
José Carlos Mota refere-se ao Relatório criado por Mary Portas no Reino Unido que pode ser usado como referência.

Quanto maior o estímulo aos pequenos negócios locais, melhor a dinâmica da economia nacional. Esta é uma das conclusões de estudos realizados, diz José Carlos Mota.

José Carlos Mota realça que Portugal começa a perceber a importância da valorização do território. Refere o relatório "Valorizar - Criar Valor com o Território" e a nomeação, hoje mesmo, de Miguel Poiares Maduro, para o cargo de Ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional.

http://www.turismodeportugal.pt/Portugu%C3%AAs/turismodeportugal/destaque/Documents/Brochura_VALORIZAR.PDF

O 3º ponto de reflexão é o contexto da Europa 2020, uma agenda europeia para o crescimento.
Os riscos:
as intenções / as palavras que, aparentemente, indiciam novas ações mas que podem ser meras máscaras para ações já feitas e que nos trouxeram para onde estamos agora
As oportunidades:
alertar para o potencial e para a necessidade de repensar.

O 4º ponto que José Carlos Mota nos deixa para reflexão, vem agora para o contexto da região de Aveiro.
De que recursos dispomos da região? 
Como podemos planear um crescimento sustentável? E onde entra a mobilidade sustentável, enquanto agente de economia, de qualidade de vida e ambiental?

Aveiro é a região portuguesa onde se anda mais de bicicleta. E há muitos projetos, variados, em torno da bicicleta e da mobilidade em bicicleta.

José Carlos Mota refere agora a importância da economia criativa e fala de exemplos como o Sapo, o TEDxAveiro, as Exit Talks.

O José Carlos Mota termina com o desafio:
Temos ingredientes, competências, atores e oportunidade. Como podemos usar tudo isto para tornar a cidade / região de Aveiro numa cidade inteligente, explorando os aspetos de colaboração, da conceção e ação, da experimentação, e de aprendizagem e ligação com o mundo (trazendo o global para o local).

 

É agora a vez de dar início ao debate. E a primeira participação é de Francisco Braga, que começa por felicitar a realização deste evento e frisa a identidade regional como uma bússola que nos orienta em tempos de dificuldade.
Para que os atores regionais possam contribuir, com ideias novas, para um repensar do futuro, têm de estar livres de compromissos.
Frisa também a importância de identificar e estabelecer parcerias, nos momentos certos para conseguir trazer oportunidades para a região.

A segunda intervenção é de José Ferraz, da Associação Empresarial do Vouga, e membro do Opinion Board "be IN" Aveiro. Não é da cidade mas está aqui ligado pelo coração (casou com uma aveirense).

Deixa o desafio de que a cidade está tão confortavelmente sentada que não vê o potencial único da cidade no Mundo.

Marta Alves, da Administração do Porto de Aveiro, pede agora a palavra para realçar a importância da infra-estrutura portuária para a economia regional e para a competitividade das empresas que podem, num mesmo espaço, recorrer a transporte marítimo, ferroviário e rodoviário.

José Valente, presidente da Sema - Associação Empresarial, lembra que não nos podemos esquecer que o tempo também tem preço e pede para que sejamos otimistas pois só assim conseguiremos vencer a crise.

Jorge Greno pede a palavra como aveirense.
Diz que não entende porque é que a administração de certas indústrias, atividades e infra-estruturas da região é feita por entidades não presentes na região.
Porque é que as regras e práticas do comércio nos centros comerciais e nos centros das cidades são diferentes?
Há que mudar mentalidades e a legislação.

Carlos Pires, chefe do Corpo de Bombeiros de Aveiro - Velhos, pede a palavra, realçando a importância de ser capaz de gerir os meios disponíveis.
Fala também que é importante perceber os recursos disponíveis na envolvente pois, em certas situações, faz mais sentido usar recursos existentes noutras instituições.
Cada um não deve gerir a sua casa de forma autónoma. E essa forma de pensar deve estender-se ao nível do bairro, da cidade, do país.

José Carlos Mota, que fez o envolvimento deste Fórum, aproveita a oportunidade para perguntar a Carlos Pires de que forma os bombeiros da região se articulam, ou não, para reduzir esforços.
Diz Carlos Pires que os bombeiros têm áreas geográficas de atuação para o combate de incêndios. Para os restantes 97% do trabalho dos bombeiros que não tem a ver com incêndios (formação contínua, transporte de doentes, etc.), já não há essas áreas definidas. 
Assim, os bombeiros da região procuram reunir-se periodicamente para identificar valências e articular esforços.
No entanto, refere, há ainda que combater as quintas e a vontade de algumas entidades de muitas vezes querer ser mais e ter mais do que os restantes.

André Costa, membro do Município de Aveiro, parte do projetoAveiro Empreendedor, e membro da equipa que organiza o TEDxAveiro.
Um outro participante frisa a importância de:
-- aprender fazendo
-- sermos melhores cidadãos
Destaca que eventos como o TEDxAveiro atraem 500 a 700 pessoas apenas pelo espírito empreendedor das pessoas da região.

Virgílio Santos é empresário na região de Aveiro. Começou há 30. Não tinha dinheiro, tinha vontade e tinha formação. E conseguiu.
Temos de parar de perguntar o que o nosso país pode fazer por nós e começar a perguntar o que é que podemos fazer pelo nosso país.
Diz Virgílio que dizer que Aveiro é melhor cidade do mundo é uma grande mentira. É só para satisfazer o nosso ego. A verdade é que temos condições para ser a melhor cidade do mundo. Mas ainda não somos.
Temos de trabalhar para isso. Tem de haver coordenação, de trabalhar em equipa. Temos de fazer na região o que precisamos de fazer nas nossas empresas para que sejam bem sucedidas.

Liz Marques da Silva, da Associação de Marketing de Aveiro, diz que a região tem atitude mas falta-lhe uma rede de contactos e falta uma marca Aveiro que ajude a puxar a economia da região.

Para terminar esta sessão algumas palavras de José Carlos Mota.
É importante o papel da Liderança mas não podemos depender disso.
Se documentarmos o que vamos fazendo, temos armas para poder exigir resultados a quem nos governa. E os melhores momentos para pedir provas é exatamente a altura das eleições.
Precisamos de uma atitude de inquietação. Devemos sair daqui inquietados, pedindo amanhã resposta às situações que identificámos hoje.

Têm agora o início o Speaker's Corner e o Futuroscópio, duas sessões paralelas que refletem a região de Aveiro de forma complementar.

 

Speaker's Corner

A 1ª speaker é Ana Ribeiro que nos vem falar do Centro de Informação Europe Direct de Aveiro onde se pode encontrar informação sobre a Europa, informação essa que pode ser usada para pensar oportunidades internacionais.

O 2º speaker é João Macedo que nos vem falar de um projeto que, aqui na cidade de Aveiro, oferece uma alternativa saudável aos ginásios já existentes. Um ginásio de crossfit que privilegia a intensidade, a diversidade e o espírito de comunidade.

O 3º speaker é José Valente, tem 73 anos. É um reformado ativo. Acredita na reindustrialização mas não acredita que se faça por decreto.
Há parques industriais em muitas regiões, parques esses que não estão plenamente utilizados e dos quais se desconhecem as valências.
Qual a capacidade instalada e a capacidade de instalar de cada município? É necessário vender e divulgar os resultados de um levantamento criterioso da infra-estrutura da região.
Identifiquem alguns "caixeiros viajantes" que vão vender as infra-estruturas da região junto de entidades, empresas que possam querer vir localizar-se em Aveiro.
Vamos ambicionar e trabalhar para a criação de um Vouga Valley.
Não precisamos de mais parques industriais. Precisamos de melhores parques industriais.

Diz José Valente: "A nossa região não é uma capelinha de cada um. É uma igreja de todos."

O 4º speaker é Marlos Silva coordenador de projetos da Inova-Ria que pretende criar um cluster de empresas do setor TICE, consolidando Aveiro como um polo líder nesta área.
Uma das formas é através do apoio ao empreendedorismo e a start-ups.
Alguns projetos Aveiro EmpreendedorGENIUS_Inova-Ria, Parque da Sustentabilidade, Projeto Alvos Estratégicos e Projecto Actor.
Marlos destaca a importância de inovar em rede e sublinha o lema da INOVA-RIA "Juntos somos mais fortes".

O 5º speaker é José Ferraz que nos vem falar do projeto Capital Eco-Natura, uma ideia que vem alimentando há muitos anos e que parece vir ao encontro das ambições daqueles que hoje aqui se encontram.
Com 52 anos, presidente de uma empresa com sucesso aqui na região, acredita que "só ganhamos se estivermos todos".
O projecto Capital Eco-Natura visa o aproveitamento sustentável da região de Aveiro para atrair empresas estrangeiras ricas, muito ricas.
Para isso Aveiro dispõe de recursos naturais e paisagísticos, empresas de todos os setores de atividades, boas infra-estruturas e a presença de boas universidades.
Como empresário refere a importância de um diálogo eficaz para que haja uma correspondência entre o que os empresários precisam e o que as universidades oferecem.
Capital Eco-Natura, é uma marca registada, e José Ferraz lança o desafio para que pessoas interessadas o contactem para, juntos, fazer avançar este conceito numa altura em que a região (e o país) têm tanta necessidade.

"Quanto maior for o sucesso da minha empresa, maior é o meu sucesso individual.", é o lema que José Ferraz usa na sua empresa e que considera importante usar no contexto da região.

A 6ª speaker é Catarina Diogo da Bik&vento, empresa de Aveiro ligada à mobilidade em bicicleta, e que agora se mexe para poder identificar outras oportunidades de negócio.
Uma delas é o Traveller, uma aplicação para dispositivos móveis, que ajudem um turista a "mover-se" numa cidade, encontrando informação sobre o que ver, onde comer, onde dormir e o que fazer.
O Traveller nasce da sinergia entre a Bik&vento e da U-Concept que permite a estas duas empresas enveredar por um mercado diferente.
Salienta a importância deste tipo de sinergias numa altura como esta.

O 7º speaker é Liz Silva da AMA - Associação de Marketing de Aveiro que apresenta os propósitos e os objetivos desta associação.
Diz que em tempo de crise é importante perceber porque é que umas empresas são bem sucedidas e outras não. Nas bem sucedidas há um fator quase constante: a criação de parcerias.
A Associação está a olhar pela criação de uma marca para a cidade de Aveiro. O logotipo existe e precisa agora de vida. Um logo para os empresários, para as instituições, etc.. Vai trazer mais empregos, mais empresas e mais turistas.
Fica o pedido para que tenhamos todos atitude.

A 8ª speaker é Ana Neves que nos fala da importância das redes empresariais e do papel das ferramentas sociais no apoio a essas mesmas redes. Deixa-nos o desafio de participar no Social Now: Tools for Workforce Collaboration na próxima semana.

Inicia-se agora o debate, com um participante a dizer que a região tem uma paisagem natural fantástica mas que o Homem tem o hábito de destruir.
Diz que há muito dinheiro mas falta de vontade de investir.
Diz também que é importante reduzir o número de horas semanais para que haja trabalho para todos.
Um recado para os jovens: não emigrem, tenham vontade de trabalhar.

Ainda o mesmo participante mostra a sua indignação por andarmos a pagar os nossos impostos na educação de jovens que depois sentem necessidade de emigrar.

José Maria Ferreira, da Universidade de Aveiro, pede a palavra e começa por congratular a iniciativa que aqui hoje ofereceu a possibilidade de um debate alargado.
Diz que não tiramos partido do conhecimento que desenvolvemos, dos produtos que conseguimos criar.
Devemos ser otimistas, diz. Mas mostra a sua frustração com situações, fora do nosso controlo, que até penalizam os melhores comportamentos. Dá o exemplo concreto do seu departamento na Univ de Aveiro onde poupou 3 anos para a compra de um equipamento e que agora vê essa compra congelada e o dinheiro desviado para outros fins.

Pedro Bandeira, Co-fundador da Shape2Up | Impulso para Empreendedor, defende a criação de uma comunidade de empreendedores. Essa comunidade deve ter parceiros institucionais mas não deve ser liderada por organismos institucionais. São os empreendedores que devem liderar essa comunidade.

Diz Pedro Bandeira que temos de ter uma atitude de "dar porque sim", e não apenas na expetativa de receber (de imediato). É este espírito que distingue Silicon Valley e é espírito que não existe em Portugal.

Termina agora o Fórum "be IN" Aveiro. Uma grande adesão (98 pessoas aqui na sala da AIDA) e uma ainda melhor participação. Que este espírito indignado, otimista e empreededor possa dar frutos reais para esta região.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por JCM às 18:54

Sexta-feira, 12.04.13

documento de reflexão apresentado hoje no be IN Aveiro

documento de reflexão apresentado hoje no be IN Aveiro

José Carlos Mota - Universidade de Aveiro



Apresentação be in aveiro 13 abr 2013 from José Carlos Mota

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por JCM às 18:45

Sexta-feira, 12.04.13

Pensar o futuro da Região de Aveiro 2014-2020

Um espaço cívico de reflexão sobre o futuro da Região de Aveiro para o horizonte 2014-2020.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por JCM às 18:31


Facebook


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2013

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930



Arquivo

2013